Tratamento de Água e Água Potável

As estações hidrelétricas brasileiras contam com o know-how de bombas da Alemanha

Enquanto a Alemanha ainda enfrenta diversos problemas não resolvidos em termos de renovação de fontes energéticas, estes têm de desenvolvido significativamente na América do Sul. Especialmente no Brasil, que está provando ser o modelo a ser seguido quando se trata de energias renováveis. Cerca de 75% da necessidade do país está coberta por energia hidrelétrica.     

 

Contexto

As características geográficas especiais do Brasil fazem parecer que ele foi feito para a energia hidrelétrica. Nenhuma despesa foi poupada nem com as últimas plantas, por exemplo, as maiores turbinas Kaplan do País até agora estão funcionando na nova usina de Estreito, no Rio Tocantins. Seu rotor sozinho pesa 470 toneladas.

 

Desafio

Além das bombas, os sistemas desenvolvidos para o efeito incluem também filtros, trocadores de calor, instrumento, unidade de controle e tubos e compreendem duas sub áreas: uma unidade de injeção e o local de circulação do óleo de lubrificação. O enorme peso das turbinas que assentam nos rolamentos significa que o lubrificante tem de ser aplicado a uma pressão muito elevada, sobretudo ao arrancam e desligar, de modo a poder criar qualquer película lubrificante entre os componentes de rotação e estáticos. Bombas de engrenagens  são utilizadas para esta aplicação, pois podem gerar de 100 a 250 bar. Isso significa que os componentes móveis do rolamento seco podem ser facilmente levantados e lubrificados de forma confiável.

 

Solução

A injeção é interrompida assim que uma camada estável de óleo é estabelecida. A partir deste ponto, o fornecimento contínuo de lubrificante e o feedback para refrigeração e filtragem são assumidos por bombas de fusos. Estes compreendem dois rotores em forma de fusos cujos perfis helicoidais estão exatamente sincronizados um com o outro e com a geometria da carcaça. Isto significa que os parafusos se entrelaçam à medida que giram e são formadas câmaras de transporte vedadas nas quais o meio é transportado a partir da sucção par ao lado de descarga. A capacidade é substancialmente determinada pela inclinação das espirais, pelo diâmetro dos eixos e pela forma do perfil do fuso. Devido à compensação de impulso hidráulico da bombas, as forças axiais aqui são próximas a zero, mesmo para altas pressões. Além disso, uma válvula integrada de descarga por mola protege o sistema conta a sobrecarga.

Dados Técnicos

Seu dispositivo é muito pequeno para exibir esta tabela.
NETZSCHBomba de Fusos NOTOS®
MeioÓleo
Volume de transferência  25 até 3.000 l/min
Pressão3 até 8 bar

Produtos


Literatura